segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Fausto Mota a segundos da vitória na Baja TT Rota do Douro


(Clique para ampliar)


Bianchi Prata sem correr riscos no Douro


Junto ás margens do rio Douro estreou-se este fim-de-semana a Baja TT Rota do Douro, uma nova prova no calendário nacional que mesmo sem contar para os campeonatos das duas rodas contou com a presença de alguns pilotos, entre eles Pedro Bianchi Prata. Natural do Porto o piloto da Husqvarna encarou esta participação de uma forma mais casual e sem correr riscos enfrentou os 250 quilómetros de competição desenhados pela organização.

Depois de ter sido oitavo no prólogo o piloto do Porto enfrentou em ritmo mais tranquilo os 250 quilómetros da prova. Cedo percebeu que as marcações não eram as melhores e a opção foi mesmo não correr riscos, respeitando as muitas zonas de velocidade controlada e não arriscando em nenhum momento. No final acabou por terminar na mesma oitava posição após uma jornada onde voltou a percorrer os trilhos do Douro e onde se divertiu aos comandos da sua Husqvarna Rally.

‘O percurso estava giro e acima de tudo diverti-me. Optei por fazer uma prova calma sem correr riscos que pudessem provocar uma queda. A prova teve algumas falhas em termos de marcação mas é uma prova que tem tudo para evoluir no bom sentido e no futuro poderá mesmo marcar o calendário internacional.’

Junto à sua cidade do Porto Bianchi Prata juntou-se à dúzia de pilotos que esteve presente na estreia de uma nova prova no calendário nacional, prova que poderá em 2015 fazer parte também do lote de provas do Nacional TT para as motos.

Hype Communications

Pedro Oliveira foi o vencedor da Baja TT Rota do Douro


Pedro Oliveira cumpriu os 225,66 km´s do Sector Selectivo Douro Norte, em 3h22,41s, à média horária de 69 Km/h. A prova decorreu sem incidentes para o homem da Honda CRF 250, cuja principal preocupação terá sido controlar o andamento do seu adversário mais directo, Fausto Mota.

Quarenta e cinco segundos foi a margem que impediu Fausto Mota (KTM SX-F) de vencer. Nos últimos 48 km´s deste sector selectivo recuperou ainda dois segundos, face ao líder, mas mais pareceu que Pedro Oliveira, já cumpriu os últimos quilómetros a controlar o andamento do homem da KTM.

O terceiro posto final foi discutido pelos homens das Beta, que travaram uma luta bem interessante até meio do sector selectivo. Nos últimos 48 quilómetros de prova, Filipe Sampaio levou a melhor, conquistado o terceiro posto do pódium, enquanto o outro homem da equipa Fernando Ferreira, já não chegaria ao final.

Henrique Nogueira, em Honda CRF 250, foi quarto, à frente de José Borges, em KTM 125.

Rita Vieira, a madrinha da Baja TT Rota do Douro, levou a AJP PR4 200 à décima primeira posição final, numa prova plena de garra e provando porque venceu a Taça do Mundo TT FIM Senhoras, numa prova, "de que gosto muito, com um traçado espectacular e corrida quase à porta de casa", rematou a melhor senhora em prova.

Texto: Média Completa Mente
Foto: Bruno Fernandes

Red Bull Sea to Sky 2014 - Video - Montanha


quarta-feira, 24 de setembro de 2014

CNE 2014 - Alcanena - Videos



Diogo Ventura foi segundo no fecho do nacional


Diogo Ventura terminou no passado fim-de-semana a sua participação no campeonato nacional de enduro. Depois de ter concluído o mundial da especialidade na quinta posição da classe Júnior o piloto de Góis conseguiu em Alcanena terminar ambos os dias de prova na segunda posição, fechando desta forma um campeonato condicionado logo no seu arranque pelo abandono na prova inicial, em Góis.

‘Fiquei bastante satisfeito pela minha prestação aqui em Alcanena. No primeiro dia estive mesmo na frente da corrida mas uma penalização fez-me descer ao segundo posto. Apesar de alguns erros na especial Xtreme andei sempre muito rápido e isso deixou-me bastante satisfeito. A desistência logo no início do ano em Góis condicionou a minha temporada, mas acabou por fechar o ano no pódio da minha classe e isso é muito positivo. Parabéns aos campeões e no próximo ano lá estaremos para lutar de novo.’

Contas feitas ao campeonato e depois do encerramento nos trilhos de Alcanena, que mais uma vez mostraram a dureza da região aos participantes do campeonato, Diogo Ventura colocou a Gas Gas oficial na quarta posição do campeonato absoluto e terceiro posto da categoria Elite 2, feito que se junta ao fantástico quinto posto no mundial junior nesta que foi a sua primeira época integrado na equipa oficial da marca de Girona.

Hype Communications

Fábio Pereira no Enduro de Alcanena


(Clique para ampliar)


Ivo Pinto termina CNE no pódio


(Clique para ampliar)


1º dia TM Racing Portugal


No próximo dia 4 Outubro, o importador da marca TM para Portugal, a empresa AC Motos de Vale de Cambra, irá realizar pela primeira vez um encontro TM.

Todos os proprietários das motos italianas TM estão por isso convidados a aparecer em Vale de Cambra.

Irá haver um custo que será dividido por todos, que se destina a suportar os custos de um polo alusivo ao evento e ainda ao lanche final.

As inscrições fecham dia 26 de Setembro!

Ficha de inscrição e informações:

Organização

domingo, 21 de setembro de 2014

Gonçalo Reis volta a ser campeão


Antes desta temporada, no currículo de Gonçalo Reis já avultavam cinco títulos de campeão nacional de Enduro, mas o mais recente – e único absoluto – remontava a 2010. Agora, aos 28 anos de idade, o piloto do Magoito explorou da melhor forma a ausência do adversário que liderava a competição antes desta jornada final. De facto, uma lesão no cotovelo direito impossibilitou Luís Correia de alinhar em Alcanena, onde Gonçalo Reis dominou as operações para ser campeão.

A prova organizada pelo Pedrinha Motor Clube foi a única do Campeonato repartida em dois dias pontuáveis, com os pilotos das classes principais a cumprirem três voltas diárias ao percurso, no Sábado enlameado devido à chuva caída durante a primeira parte da prova. À partida, apesar da confirmada ausência de Correia, Gonçalo Reis ainda tinha outro foco de preocupação, pois Joaquim Rodrigues estava apenas com 6 pontos de atraso, pelo que qualquer deles dependia de si próprio para chegar ao título absoluto.

Essa questão começou a ser resolvida logo no Sábado, porque na segunda volta Rodrigues perdeu cerca de 1m50s para Reis no conjunto de duas “especiais”, diferença que ainda aumentou até final. Assim, Reis ganhou o dia, com 1m27,5s sobre Diogo Ventura – este com 1 minuto de penalização, e líder durante a primeira metade da prova – enquanto Mário Patrão era 3.º absoluto e conseguia finalmente quebrar a invencibilidade de Joaquim Rodrigues na classe Elite 2, com este a ser 4.º da “geral”.

No segundo dia de prova, Reis foi o mais rápido em seis das nove passagens pelos troços cronometrados – só perdeu para Rodrigues as três passagens pela “Extreme” – e voltou a triunfar, desta vez com 40,7s sobre Ventura, enquanto Rodrigues era agora 3.º diante de Patrão, e Fábio Pereira o 5.º na frente de João Ribeiro – invertendo o ordenamento observado na véspera.

O novo campeão da classe Elite 1, Joaquim Rodrigues, garantiu assim o seu 16.º título nacional mas o primeiro no Enduro, após uma carreira recheada de êxito no Motocross e Supercross.

Na classe Open 1 havia quatro candidatos ao título, três deles a dependerem apenas de si próprios, mas logo no Sábado as contas revelaram-se favoráveis a Jorge Leite, pois ganhou com significativa vantagem sobre Carlos Pedrosa, e viu desistirem outros dois rivais, João Hortega (com a cremalheira partida) e José Pimenta. Depois de na véspera ter sido desclassificado por excesso de penalização, no segundo dia João Vivas levou a melhor, diante de Hortega, mas o 3.º lugar na classe bastou para Leite se sagrar campeão.

Na Open 2, Filipe Sampaio triunfou nos dois dias, e assim logo no Sábado garantiu a conquista da coroa nesta classe, sempre secundado por Diogo Valença, sendo que hoje a diferença cifrou-se apenas em 0,9s.

No Troféu Verdes, na classe V1 travou-se entusiasmante duelo. João Lourenço venceu no Sábado diante de João Araújo, e arrancaram para o último dia apenas separados por 1 ponto. A luta durou até final e Lourenço bisou vitória – garantindo o triunfo no Troféu – mas bateu Araújo apenas por 2,5s nesta última ronda.

Na classe Verdes 2, Alexandre Guia ganhou as duas etapas em Alcanena, mas o 2.º posto serviu para Gonçalo Gomes assegurar a conquista do Troféu, pois deixou sempre à sua rectaguarda o outro interessado, Rui Almeida.

Entre os Veteranos, António Oliveira confirmou o favoritismo para o título ao ganhar nos dois dias, o mesmo sucedendo com Rita Vieira para conquistar a coroa de Senhoras. Finalmente, nos Super Veteranos João Saraiva também repetiu vitória e na tabela de pontos conseguiu ultrapassar Paulo Viana, chegando assim ao êxito global.

(Clique para ampliar)

Texto e tabelas: http://www.fmotoportugal.pt
Foto: Arquivo - FB Gonçalo Reis

CNE 2014 - Alcanena - Resultados



CNE 2014 - Alcanena - Tempos Online




sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Campeões para conhecer em Alcanena



Neste momento, a grande incógnita reside na condição física de Luís Correia, líder do Campeonato absoluto e Elite 2. No passado fim-de-semana o ribatejano teve de desistir em França porque se ressentiu de uma lesão no cotovelo direito, e resta saber em que condições poderá suportar a prova em Alcanena.

Entre outras hipóteses, a vitória num dia basta para Luís Correia assegurar o título absoluto, ou obter um 4.º e um 5.º lugar. Na classe Elite 2, o triunfo num dia, ou dois sétimos lugares, também rendem o objectivo global, liquidando as últimas ambições de Gonçalo Reis. Caso contrário, na competição absoluta também Joaquim Rodrigues pode ter ainda uma palavra a dizer.

“Quim” Rodrigues, precisamente, na Elite 1 apenas precisa de mais 2 pontos para garantir a coroa – na prática, face ao habitual volume de concorrentes, terminar classificado num dia em Alcanena.

Neste “Nacional” de Enduro, os pilotos retêm todos os resultados para a contabilidade final, e na classe Open 1 as coisas estão verdadeiramente assanhadas, com três pilotos apenas dependentes de si próprios – Jorge Leite, João Hortega e Carlos Pedrosa – e até José Pimenta ainda pode transformar este confronto pelo título numa discussão a quatro. Muito mais fácil afigura-se a tarefa de Filipe Sampaio na Open 2, pois adjudica o respectivo título apenas com o 2.º lugar num dia, ou então um 7.º e um 8.º nesta dupla ronda.

Por outro lado, em quatro classes de Troféu também existem duplas de pilotos que avançam para Alcanena a dependerem exclusivamente de si para a conquista dos títulos. Assim na Verdes 1 João Araújo e João Lourenço partem separados por 2 pontos, e apenas 4 pontos separam Gonçalo Gomes e Rui Almeida na Verdes 2. Uma diferença de 6 pontos existe nos Super Veteranos entre Paulo Viana e João Saraiva, bem como nas Senhoras entre Rita Vieira e Flávia Rolo. Assim, apenas na classe de Veteranos António Oliveira surge em posição privilegiada para assegurar o triunfo na competição.

A prova organizada pelo Pedrinha Motor Clube vai disputar-se num percurso de 45 Km, traçado no concelho de Alcanena. Em termos de “especiais” cronometradas, a “Cross Test” (com 4 Km) situa-se na pista das Barrocas, na Gouxaria; a “Enduro Test” (6,4 km) na variante da Chã em Alcanena, e a “Extreme” (1 Km) junto ao pavilhão Multiusos da vila. Aliás, esse Pavilhão constitui o centro operacional do evento, onde estará instalado o Secretariado, sendo ponto de partidas e chegadas, “paddock” e zona de assistência.

(Clique para ampliar)

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

EWC 2014 - Classificações finais

Laia Sanz somou aos seus 13 títulos no Trial, o terceiro título no mundial de Enduro 


(Clique para ampliar)

Youth Cup - Davide Soreca
Senhoras - Laia Sanz

Foto e tabelas: http://www.enduro-abc.com

Correia e Ventura fecham campanha em França


A jornada de encerramento do “Mundial” de Enduro disputou-se na localidade francesa de Brioude, em três voltas a um percurso com 75 Km, bastantes incursões entre bosques e algum pó.

Luís Correia logo no Sábado começou a ressentir-se da lesão no cotovelo direito, sofrida no início de Agosto na ronda anterior do “Mundial”, não conseguindo então melhor que o 12.º lugar na classe E3. Já hoje, o agravamento do problema físico implicou mesmo a desistência do ribatejano. Quanto a Diogo Ventura, apesar de algumas quedas, terminou os dois dias nos 7.º e 9.º lugares da classe Júnior.

Em termos de Campeonato, Luís Correia conclui este “Mundial” no 6.º lugar da classe E3 – dois lugares abaixo do que ocupava antes desta prova – e Diogo Ventura termina em 5.º na classe Júnior.

Foto: PR Diogo Ventura

EWC 2014 - GP de França - Videos

1º dia:

2º dia: