quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Entrevista a Vera Dias


Entrevista realizada pela Comissão Feminina da FMP

A preparar já a nova época de Enduro, fomos conversar com a piloto Vera Dias, uma jovem promissora da modalidade.
Vera, de 30 anos, é Auxiliar de Acção Médica de profissão e piloto de paixão.

FMP: És um ótimo exemplo para todas as senhoras de que se pode começar uma modalidade em qualquer altura e ser bem sucedida. Queremos saber como começou a paixão pelas duas rodas?
VD: Sempre gostei de motas desde pequena, no entanto nunca tinha visto uma prova de Enduro nem conhecia ninguém que praticasse a modalidade. O Enduro surgiu recentemente na minha vida e só há cerca de 4 anos é que comprei a minha primeira mota.

FMP: E a competição, como começou?
VD: Fiz a minha primeira corrida há cerca de 2 anos. Meio que em brincadeira, incentivada pelo grupo com quem comecei a andar e sem qualquer noção que o resultado poderia ser tão positivo. Desde aí tomei o gosto pela competição.

FMP: Qual foi a primeira corrida em cada modalidade que praticas/praticaste?
VD: Até ao momento só pratico Enduro, a primeira corrida foi no Troféu Luso Galaico.

FMP: Que mota tinhas? E que mota tens agora?
VD: Era uma AJP Pr3 200 e agora corro com uma KTM 250-F

FMP: Qual foi o maior sucesso até hoje?
VD: Ter alcançado o lugar mais alto do pódio no ano passado no Campeonato Nacional de Enduro em Gouveia que se realizou junto com o Campeonato Mundial.

FMP: Houve alguns momentos mais marcantes, pela positiva ou negativa, até hoje?
VD: Tenho dois momentos marcantes, o que referi há pouco, não só por ter conseguido o primeiro lugar mas também por ser o primeiro ano no Campeonato e ser um mundo totalmente novo e desconhecido para mim; marcou-me também ter ido correr ao Brasil no Enduro FIM Feminino e ter alcançado o terceiro lugar do outro lado do Atlântico.
Não tenho assim nenhum momento negativo em especial, talvez por ser uma modalidade ainda recente para mim.

FMP: Que conselhos darias a ti própria se estivesses agora a começar ou a sonhar com a competição?
VD: Nunca desistir dos nossos sonhos, nada é errado se nos faz feliz.


FMP: Quais são as maiores dificuldades que tens para poder competir?
VD: Sem dúvida a falta de apoios, como todos nós sabemos é um desporto caro e a competição exige um nível financeiro alto, eu tento o meu melhor, que nem sempre é fácil, tendo começado sem qualquer conhecimentos, sem ninguém ligado à competição torna-se muito mais difícil para mim.

FMP: Onde achas que alguém que está agora a começar deve ir procurar apoios?
VD: Bem!! Esta é uma pergunta difícil para mim, ainda é a minha maior dificuldade. Eu tento procurar apoios em cada esquina, um café, um restaurante, uma associação, toda a ajuda é bem vinda, apesar de ter conseguido bons resultados não é, nem está fácil, conseguir reunir as condições necessárias para poder garantir a minha participação na próxima época do Campeonato Nacional de Enduro.

FMP: Quais os planos para a próxima época e o futuro?
VD: Conseguir participar na integra no campeonato nacional de Enduro e lutar por um lugar final no pódio.
No futuro, representar Portugal nos Six days… O meu maior sonho seria o Rally Dakar.

FMP Comissão Feminina

domingo, 5 de novembro de 2017

Hixpania Hard Enduro 2017 - Vitória para Jarvis


Resultados:
1. Graham Jarvis (Husqvarna) 
2. Jonny Walker (KTM) 
3. Alfredo Gomez (KTM) 
4. Billy Bolt (Husqvarna) 
5. Mario Roman (Sherco)

Videos:

Foto: Husqvarna Motorcycles

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Luís Oliveira muito perto da vitória na 31ª Edição Baja Portalegre 500


A 31ª edição da mais mediática prova todo-o-terreno em solo português realizou-se nos passados dias 26, 27 e 28 de Outubro. A edição 2017 da Baja Portalegre 500 à semelhança da edição passada contou com um desfile de pilotos na quinta-feira à noite, bem no centro da cidade de Portalegre. Foram muitos aqueles que compareceram no Alto Alentejo para apoiarem Luís Oliveira. Regressado do Brasil e bastante motivado, o piloto de Sintra trazia na “bagagem” mais dois títulos de enduro, sendo ainda um candidato à vitória nas rápidas pistas alentejanas – vencedor das duas últimas edições.

No primeiro dia de competição, num prólogo com aproximadamente quatro quilómetros na Herdade das Coutadas, Luís Oliveira demonstrou um excelente andamento aos comandos da sua Honda CRF 450 RX – 2º melhor tempo a apenas 2 segundos do líder de prova. Já nos 76 km´s realizados na tarde de sexta-feira, o piloto apesar de ter sentido algumas dificuldades de visibilidade com o muito pó, garantiu novo 2º lugar - +11 segundos.

No derradeiro dia de competição e totalmente ao ataque, Luís Oliveira demonstrou todo o seu potencial e ganhava segundos importantes ao seu mais direto adversário. Infelizmente e já com apenas 50 km´s por cumprir, um problema eléctrico condicionava a progressão do piloto, que apenas conseguiu “segurar” o segundo lugar final.

No final no Crato, Oliveira comentou: “Esta prova de uma forma geral correu bem. Dei o meu melhor, apesar de ter a perfeita noção que tive pouco tempo para preparar esta baja. Foi uma prova exigente, com um piso bastante duro e muito pó. Mesmo não tendo garantido a terceira vitória consecutiva, penso que terminei o ano de uma forma positiva. Na fase final da prova, tive um pequeno contratempo com a mota, tendo sido impossível lutar pela vitória. Aproveito para agradecer a todos aqueles que me apoiaram para estar em Portalegre, em especial aos mecânicos que trabalharam arduamente para que tudo estivesse a 100%, mas as corridas são mesmo assim. Um abraço enorme para todos os que me apoiaram ao longo de tantos quilómetros”.

E no bonito palco de Portalegre, termina assim mais uma temporada bastante competitiva para o piloto que recentemente se sagrou novamente Campeão Brasileiro de Enduro. Luís Oliveira apesar das vitórias, teve um ano duro, com algumas lesões, no entanto demonstrou uma vez mais o porquê de ser um dos mais rápidos pilotos portugueses da atualidade.

Texto: Evo-press
Fotos: Photo Tiago Pires

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Team Bianchi Prata - Honda na Baja Portalegre 2017


Este fim-de-semana teve lugar em Portalegre, a sétima e ultima prova do Campeonato Nacional de TT, a equipa Bianchi Prata - Honda esteve em destaque na prova, com 5 pilotos oficias do team e um total de 14 pilotos para prestar assistência, durante os 3 dias de competição.
Com esta prova, com mais de 400 kms o Campeonato Nacional de TT chegou ao final.
A participar na totalidade do campeonato a equipa da Honda contou com 3 pilotos, Rui Panda que se sagrou vice campeão de veteranos, Luis Aguiar que foi 6º na TT2 e Edgar Roberto devido a uma lesão no joelho só participou em duas provas tendo se classificado nesta baja num bom 6º lugar da TT3.
Dos 14 pilotos que o Team Bianchi Prata deu assistência apenas 1 piloto não terminou a prova, devido a uma queda a 50 km do final.

Team Bianchi Prata

sábado, 28 de outubro de 2017

Décimo lugar para Diogo Ventura na estreia em Portalegre


Aos comandos da sua Honda CRF 450R Diogo Ventura conseguiu hoje um brilhante 10º lugar naquela que foi a sua estreia na Baja de Portalegre. O piloto da Alves Bandeira arrancou esta manhã na 25ª posição e ao longo dos 320 quilómetros de prova manteve sempre um ritmo muito regular para ganhar dezena e meia de posições até ao final do longo e exigente sector selectivo.

Mais uma vez o calor e o muito pó foram inimigos dos pilotos que enfrentaram um percurso escorregadio e traiçoeiro, que foi mesmo 'amputado' da sua secção final por questões de segurança levando a prova a terminar no Crato e não junto a Portalegre como originalmente delineado, sendo que no sextor final, um pouco mais técnico e endurista, o piloto da Lousãmotos poderia mesmo ter tirado vantagem face aos adversários mais próximos.

"A prova correu muito bem, foi pena ontem o tempo que perdi porque tinha sido muito importante arrancar um pouco mais na frente. Fiz 120 quilómetros atrás de um piloto que não me deixou mesmo passar e com isso perdi algum tempo, mas estou satisfeito por ter conseguido terminar e entre os dez melhores. Foram dois dias muito exigentes mas senti-me sempre muito bem fisicamente e sem arriscar em demasia cumpri com os objectivos que me propus que não eram mais do que terminar e aprender esta fantástica prova. Para o ano quero mais...e melhor!"

Fica no ar o aviso do piloto do Góis Moto Clube que teve no campeão nacional de enduro neste ano de 2017 o seu melhor representante na linha de chegada.

Hype Communications

Baja Portalegre 500 2017 - Resultados

Capitão Maio venceu pela 6ª vez e igualou recorde de vitórias de Mário Patrão

Resultados:
(Clique para ampliar)

Foto: Organização

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

TLG 2017 - Baltar - João Araújo vence e aponta ao título

João Araújo

Com centro nevrálgico no Kartódromo de Baltar, realizou-se no passado domingo a 6ª prova da temporada 2017 do Troféu Luso Galaico Mota de Monte.

João Araújo foi o vencedor do evento, aproveitando da melhor forma uma penalização de 4 minutos atribuída a João Ribeiro, que se revelou o piloto mais rápido do dia. Com este resultado, João Araújo deu um grande passo rumo à conquista do troféu na classe Pro, uma vez que conta agora com 25 pontos de vantagem sobre o segundo classificado, André Mouta. No segundo lugar do pódio ficou Norberto Teixeira, seguido de João Ribeiro.

Na classe Expert, Helder Ribeiro chegou, viu e venceu. A participar pela primeira vez este ano no troféu, garantiu a vitória aos comandos de uma Honda CR250. Helder Fernandes, o líder do troféu, terminou na segunda posição a 24,4 segundos, enquanto que o terceiro lugar ficou nas mãos de Javier Rodriguez. Também nesta classe 25 pontos separam os dois primeiros do troféu, Hélder Fernandes e Márcio Barbosa.

Helder Ribeiro

Na Enduro 1 venceu Miguel Fernandes, que assim conquistou importantes pontos ao líder do Troféu, Marcelo Vieira, estando agora a 9.

Miguel Fernandes

Na Enduro 2, assistiu-se a um grande duelo entre Carlos Skinas, Duarte Mota e Vitor Carvalho. Apesar de ter ganho três das seis especiais que a classe disputou, Vitor Carvalho hipotecou as possibilidades de vitória na primeira passagem pela XT, onde perdeu 23 segundos para o melhor tempo. Skinas viria a vencer, com apenas meio segundo de vantagem sobre Duarte Mota. No Troféu, é Filipe Gomes quem lidera, piloto que não pontou em Baltar.

Carlos Skinas

Juan Lopez foi o vencedor de Enduro 3, com  3 segundos de vantagem sobre o líder do Troféu, Luís Vasconcelos. No lugar mais baixo do pódio ficou Pedro Roque, a 22 segundos de Lopez. Em termos de Troféu, Luís Vasconcelos comanda com 144 pontos, mais 24 que Pedro Roque.

Luís Vasconcelos é o líder destacado do troféu na Enduro 3

Nos Juniores, Daniel Branco conquistou a terceira vitória consecutiva da temporada e reforçou a liderança no Troféu sobre o segundo classificado, que ocupou igual posição em Baltar, Gonçalo Sobrosa. Na terceira posição ficou Ivo Cardoso.

Daniel Branco

Albano Mouta venceu pela quarta vez os Veteranos, com 27,1 segundos de vantagem sobre António Faria. Estes pilotos ocupam também as duas primeiras posições no Troféu, com uma boa vantagem de 28 pontos para Mouta. César Vieira foi o terceiro classificado.

Nos Super Veteranos, venceu José Rodrigues enquanto que Luís Oliveira é o líder confortável do troféu.

Rui Cunha venceu na Promoção, com 16,4 segundos de vantagem sobre Pedro Oliveira e 21,2 sobre Filipe Pinto. Em termos de troféu, é Rui Cunha quem lidera.

A próxima prova será o Enduro da Capela, em Penafiel, no dia 19 de Novembro, podendo ser uma prova decisiva para as contas do troféu em algumas classes.

Foto: One Shot Foto, PM-Images e Repórter Soneca

Passagem de água condiciona primeiro dia de Diogo Ventura em Portalegre


Já no final do primeiro dia da Baja de Portalegre, onde está pela primeira vez, uma passagem de água condicionou o resultado final de Diogo Ventura na primeira jornada da prova alentejana. Aos comandos da sua Honda o piloto da Lousãmotos viu o motor 'calar-se' e o tempo perdido para voltar a colocar a moto em funcionamento fez com que terminasse o dia na 25ª posição, ele que tinha sido 19º após os 3.560 metros do prólogo matinal.

"Esta manhã o pó acabou por condicionar o meu andamento. Tive um número muito alto que me levou a partir junto de pilotos mais lentos. A visibilidade no prólogo era nula, ou quase, e não arrisquei em nada. Durante a tarde consegui um ritmo melhor, estava a tentar recuperar, mas quando a moto se calou perdi uns bons cinco minutos para a colocar de novo em funcionamento e isso estragou o resultado."

Revelou o piloto de Góis depois de colocar a sua Honda no Parque-Fechado na Nerpor junto à cidade que acolhe aquela que é a mais importante prova do TT nacional. Amanhã cumpre-se o segundo dia de prova, com pouco menos de 350 quilómetros de extensão e que serão decisivos para a classificação final da prova. Um dia que se prevê longo e muito exigente do ponto de vista fisico e técnico para o qual o piloto da Alves Bandeira tem já uma estratégia definida.

"O meu principal objectivo sempre foi aprender o mais possível nesta estreia e terminar o mais acima que conseguisse em termos de classificação geral. Vou estar um pouco mais condicionado com o 25º lugar que ocupou mas vou tentar me divertir e recuperar as posições que seja possível. Vai estar novamente muito calor e o piso será de novo muito traiçoeiro para todos nós e por isso vou encarar o dia com uma margem de segurança." comentou igualmente o piloto do Góis Moto Clube.

Hype Communications

Baja Portalegre 2017 - 1º dia - Capitão Maio com rédea curta em Portalegre


Num dia de intenso calor e com o pó a ser igualmente adversário de todos os pilotos presentes na Baja de Portalgre o capitão da Guarda Nacional Républicana assegurou o comando da prova de final de época com escassos 14 segundos de vantagem sobre Luis Oliveira, que mantem o rival alentejano sobre pressão.

O campeão nacional de todo-o-terreno, António Maio, foi o mais forte no primeiro dia de competição na 31ª Baja Portalegre 500. Na luta pelo título, o piloto da Yamaha estabeleceu os tempos mais rápidos no prólogo e no segundo sector selectivo para liderar a classificação geral. Contudo, apesar da prova só terminar amanhã, assegurou, desde já, a conquista de novo campeonato da especialidade em termos absolutos e da classe, feito alcançado em virtude da queda de Sebastian Buhler, o outro candidato à vitória na competição, no SS2 que ditou o seu abandono.

A luta pelo triunfo na Baja Portalegre 500 ficou reservada a Maio, que já ganhou em cinco ocasiões, e Luís Oliveira, que procura o terceiro triunfo consecutivo na clássica alentejana. Os dois estão separados por apenas 13,7 segundos. Mário Patrão, piloto que já venceu por seis vezes e é recordista de primeiros lugares na ‘Cidade Branca’, é o terceiro classificado. O piloto da KTM encontra-se, porém, mais afastado dos primeiros lugares, ocupando o último lugar do pódio a 2m44,02s do líder.

“O meu objectivo era o título e já foi alcançado. Não era desta forma que pretendia ganhar. Espero que o Sebastian não tenha nada de grave e recupere rapidamente. Relativamente à prova, com o campeonato resolvido, vou tentar vencer aqui pela sexta vez. Hoje o prólogo correu bem e a especial, que era rápida e perigosa, também.”, afirmou António Maio.

Luís Oliveira, que é segundo, quer alcançar a terceira vitória consecutiva. O piloto de Belas que fez este ano o campeonato brasileiro de enduro, não dispensa a presença em Portalegre. “Vim para fechar o ano e fazer a festa. Esse é o meu principal foco. Se tiver a oportunidade de ganhar, vou aproveitar, esclareceu o piloto que está a menos de 14 segundos de Maio e que gostava de vencer as 31ª Baja com o número 31 nas suas costas.

Sebastian Buhler caiu no segundo sector selectivo da Baja Portalegre 500 e foi evacuado para o hospital, colocando assim um inesperado ponto final nas suas aspirações quanto ao título maior do TT português. Na quarta posição fechou o dia Guilherme Caldeira, com Salvador Vargas, ex-campeão nacional TT3 a ser o quinto classificado naquela que é a única prova este época para o piloto de Cascais.

FMP

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Baja Portalegre - Decisões no Alentejo


Em trinta anos de história da Baja de Portalegre apenas três pilotos conseguiram vencer a mesma por três vezes consecutivas, com a tripla mais recente a ser alcançada por António Maio, entre os anos de 2010 e 2012. Nesta reduzida lista estão igualmente os nomes de Mário Patrão, com três sucessos consecutivos entre 2004 e 2006, e também António Lopes, que subiu ao degrau mais alto do pódio de 1990 a 1992.
Nestas três décadas de história da mais importante prova do TT português foram 15 os pilotos que colocaram o seu nome na lista de vencedores e entre eles apenas dois estrangeiros, Richard Sainct e Alain Perez, que venceram nas pistas alentejanas em 1995 e 1996. Em 2017, Luís Oliveira – que venceu as duas últimas edições – irá procurar tornar-se no quarto piloto a conseguir três vitórias consecutivas. E depois de recentemente ter conquistado o título brasileiro de Enduro, o piloto de Belas procurará igualmente oferecer de novo a primeira posição aos japoneses da Honda, que não vence em Portalegre desde 2001, quando Paulo Gonçalves colocou o seu nome na lista de vencedores da prova organizada pelo ACP.
Mas para vencer Luís Oliveira terá que bater uma concorrência de luxo liderada pelos dois principais animadores do campeonato da especialidade em 2017, António Maio e Sebastian Buhler. Fruto do regulamento onde os pilotos podem deitar o pior resultado fora ambos estão empatados no arranque para a decisiva prova e terão que forçosamente terminar um na frente do outro, seja para António Maio renovar o ceptro, ou para Sebastian Buhler se juntar à lista dos melhores dos melhores do TT nacional. Em terceiro no campeonato, e fora da luta pelo título, Mário Patrão – o recordista de vitórias na prova com seis sucessos – poderá ser o principal fator de desempate entre ambos os pretendentes ao ceptro, tudo isto ao mesmo tempo que tem que ser sempre considerado como possível vencedor.
Mas ao lote dos candidatos temos que juntar ainda os nomes dos experientes e consagrados David Megre, Salvador Vargas – o campeão TT3 no passado ano que regressa à competição apenas para participar nesta prova – ou Martim Ventura, que aos comandos da sua 125cc promete causar estragos ao mesmo tempo que discute o título TT1 com Fernando Ferreira, outro dos pilotos que quer estar na frente desde os primeiros momentos da prova. Na classe maior, TT3, o ceptro está nas mãos do algarvio Luís Teixeira, mas o piloto de Alcoutim quer fechar o ano da melhor forma e também entrar na luta pelas primeiras posições. Tudo isto sem esquecer nomes com palmarés e capacidade para complicar ou não a vida aos que discutem os campeonatos e que estão em Portalegre como ‘outsiders’ de luxo. A preparar a prova desde que terminou o campeonato nacional de motocross, Luís Correia será certamente um dos pilotos em destaque, o mesmo se passando com o campeão nacional de enduro em 2017, Diogo Ventura, que faz a sua estreia na prova e poderá ter nesse pormenor o seu principal ‘handicap’.
Com quase 430 quilómetros discutidos ao cronómetro esta será mais uma vez a ronda decisiva do campeonato nacional no que diz respeito ás duas rodas em termos globais e também nas classificações por classes. Com três setores seletivos para enfrentar entre sexta e sábado os cerca de 160 participantes em moto terão igualmente a companhia no parque-fechado dos pilotos da Mini-Baja, prova que regressa novamente à Baja de Portalegre neste ano de 2017.

Texto: FMP
Foto: Idário Café - Photographer

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Novas classes e calendário provisório para 2018


Após reuniões entre fabricantes, equipas e pilotos envolvidos no Campeonato Mundial FIM Maxxis Enduro, a FIM e o Promotor do Campeonato ABC Communications decidiram fazer mudanças, que serão aplicadas a partir de 2018 para incentivar a participação do maior número possível de pilotos e equipas.

Categorias Séniores:
Enduro 1 (E1)
Enduro 2 (E2)
Enduro 3 (E3)
EnduroGP
                 
Juniores e Youth 125cc:
Para encorajar mais pilotos a participarem nas categorias Junior e Youth 125cc, foi decidido que a classsificação final dos campeonatos terão em consideração os 10 melhores resultados nos Juniores e 8 melhores resultados na Youth 125cc.

Juniores – Idade limite de 23 anos
Criadas as categorias Junior 1 e Junior 2 mas apenas haverá 1 campeão mundial Junior, tendo em consideração os resultados das duas classes.

Youth 125 cc - Idade limite de 21 anos

Calendário Provisório para 2018:
17-18 Março | Helsinki – Päijänne (Finlândia)
27-29 Abril | Santiago de Compostela (Espanha)
04-06 Maio | Castelo Branco (Portugal)
01-03 Junho | Tallinn (Estonia)
30 June | The Wall (Arco di Trento) (Italia)        
Julho | (França)
01-02 Septembro | Edolo (Italia)
22-23 Septembro | Hawkstone Park (Reino Unido)
12-14 Octobe | Woltersdorf (Alemanha)

EWC 2017 - GP da Alemanha - Holcombe e Garcia campeões mundiais

Steve Holcombe é o novo campeão mundial de EnduroGP

➡  Steve Holcombe terminou a temporada da melhor forma possível: dobradinha na Alemanha e título mundial no bolso. O britânico terminou o campeonato com 48 pontos de vantagem sobre Loic Larrieu e 91 sobre Nathan Watson, tendo também vencido a 6ª edição do Troféu Mika Ahola "Brave One";

 Na classe E2, Josep Garcia conquistou o título com apenas 6 pontos de vantagem sobre Jamie Mccanney, que dividiu as vitórias nos 2 dias de prova na Alemanha com o seu irmão, Daniel. Eero Remes terminou na 3ª posição final;

 Na Enduro Junior, Brad Freeman somou mais uma vitória no GP da Alemanha e sagrou-se campeão mundial, com apenas 4 pontos de vantagem sobre Davide Soreca que assim não conseguiu aproveitar a ausência de Freeman na prova inaugural do campeonato disputada na Finlândia;

 Na Youth Cup, Andrea Verona já se tinha sagrado campeão na prova anterior e não esteve presente na Alemanha;

 Golpe de teatro nas senhoras com Laia Sanz a ter problemas de motor e a ter de entregar a coroa mundial a Maria Franke.


Videos:


Foto: EnduroGP

TLG 2017 - Baltar - Fotos PM-Images


TLG 2017 - Baltar - Fotos One Shot Foto


Luís Oliveira conquista título na Copa EFX Brasil com vitórias nas 6 jornadas disputadas


Foi sob chuva que se disputou ontem em Guararema (SP) a derradeira ronda da Copa EFX Brasil. Entre uma centena de pilotos presentes na sexta jornada da competição, uma vez mais Luís Oliveira demonstrou todo o seu potencial, garantindo assim a vitória na classe Elite e Geral. Com este resultado o português garante os títulos em ambas as classes de forma invicta. 

Com três voltas a um traçado com aproximadamente 35 Km’s, Oliveira esteve sempre na luta, tendo como seu mais directo adversário, o colega de equipa Júlio Ferreira. No final, o piloto da Honda Racing Team comentou: ”O objetivo para cada corrida é sempre o mesmo. Dar o meu melhor e se possível terminar no lugar mais alto do pódio. Hoje as coisas não estavam fáceis, porque além da lesão que acabei por contrair nesta fase da temporada, os adversários têm dado boa réplica. Mais um objetivo cumprido e uma grande vitória para a minha equipa”.

Classificação Final Elite:
1. Luis Miguel Anjos Oliveira, 137
2. Júlio César Ferreira Eliziário, 112
3. Rômulo Bottrel, 48
4. Bruno Crivilin, 44
5. Vinicius Luis Lopes Da Silva, 36

O piloto, que alcançou este fim-de-semana a segunda vitória da sua carreira na Copa EFX Brasil (primeira foi em 2014), dá assim por concluída a sua prestação 2017 no Brasil. De regresso a Portugal, Luís Oliveira irá marcar presença já no próximo fim-de-semana, na mítica Baja de Portalegre. Agora, com as inscrições fechadas desde a semana passada e devidamente verificadas e aprovadas, é possível confirmar a participação de um total de 450 participantes, dos quais 345 em moto. Luís Oliveira é novamente um dos “cabeças de cartaz” desta mítica Baja, fruto das vitórias alcançadas nas edições de 2015 e 2016.

Texto: Evo-press
Fotos: Lucídio Arruda/PubliX

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Diogo Ventura em estreia absoluta na Baja de Portalegre


Depois de uma temporada onde dominou por completo o campeonato nacional de Enduro para se sagrar campeão invicto da especialidade, Diogo Ventura enfrenta no próximo fim-de-semana um desafio totalmente novo na sua carreira desportiva. Aos comandos da Honda CRF 450R com as cores do Góis Moto Clube o piloto beirão vai participar pela primeira vez na Baja de Portalegre, prova que levará até à 'cidade branca' mais de 400 equipas nas diversa categorias em competição.

Com mais de 400 quilómetros de extensão a prova do Automóvel Clube de Portugal, na sua 31ª edição, será um desafio novo, aliciante e muito exigente para o piloto da Alves Bandeira, sendo por isso alvo de preparação especial antes do arranque dos dois dias de competição.

"Participar na Baja de Portalegre é um sonho e um desejo antigo que finalmente se concretiza. Depois de um ano fantástico no nacional de enduro fazia todo o sentido fechar a época desta forma e tenho estado a preparar-me de forma muito especial especialmente no que diz respeito à velocidade. Uma Baja é um desafio totalmente distinto e as velocidades atingidas são superiores ás do enduro e durante períodos mais longos e isso requer habituação, que tenho tentado ganhar ao mesmo tempo que tento descobrir alguns segredos para andar depressa nas pistas alentejanas." revela Ventura que irá estar na prova com as cores da Lousãmotos.

A Baja de Portalegre 2017 será discutida nos próximos dias 27 e 28 de Outubro (sexta-feira e Sábado) com o primeiro dia a ser reservado ao prólogo e um primeiro sector selectivo, sendo o dia de Sábado o mais longo com o derradeiro sector selectivo. Diogo Ventura não tem objectivos definidos quanto á classificação final, acima de tudo quer aprender e descobrir a prova mais importante e mediática do TT nacional.

Hype Communications

sábado, 21 de outubro de 2017

Momentos decisivos para o Mundial de Enduro - Voltam as 3 classes principais em 2018?

Os próximos dias serão decisivos para o futuro do Mundial de Enduro.

Depois de a KTM e HUSQVARNA terem ameaçado abandonar o EnduroGP (deixando de ter, pelo menos, uma estrutura oficial a tempo inteiro), devido à quebra de espectadores e de visibilidade do campeonato com o actual formato, o promotor está finalmente a equacionar voltar ao formato de 2016, ou seja, com as 3 classes principais E1, E2 e E3, bem como a "classificação geral", a classe EnduroGP.

Esta alteração poderá ser decisiva para que a KTM não anuncie a sua retirada, estando previsto um comunicado oficial da marca na próxima semana. Vamos ver se a mudança de posição por parte do promotor não vem demasiado tarde...

Recorde-se que já no decorrer da temporada, o campeão de EnduroGP 2016, Matthew Phillips, anunciou o abandono do mundial em 2018, pelo facto de, entre outros motivos, estar descontente com o actual formato.

A retirada de marcas como a KTM e HUSQVARNA, teria um grande impacto no mundial, diminuindo ainda mais o número de pilotos, bem como o mediatismo e competitividade do campeonato principal da modalidade de que tanto gostámos.

Foto: One Shot Foto

terça-feira, 17 de outubro de 2017

EEC 2017 - Eslováquia - Matteo Pavoni é campeão europeu

Matteo Pavoni 

Júnior italiano bateu o experiente e bi-campeão europeu Maurizio Micheluz e venceu título absoluto;
Rita Vieira esteve em bom plano nos 3 dias de competição da última prova da temporada, tendo terminado em 5º no segundo dia e em 8º no terceiro, depois de não concluir a 1ª jornada. Pelo caminho registou por 2 vezes o 2º melhor tempo em especiais.

Resultados

Video:

Foto: enduro-europa.com

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Luís Oliveira sagra-se Campeão Brasileiro de Enduro FIM


A cidade de Farroupilha, Rio Grande do Sul, recebeu este fim-de-semana os pilotos do Campeonato Brasileiro de Enduro FIM para a sétima e última etapa da temporada 2017. Com dois dias pontuáveis, esta prova tinha como centro nevrálgico o MX Park Motocross local. A muita lama devido às fortes chuvas que se abateram sob a serra Gaúcha, tornaram o terreno extremamente escorregadio e a resultante dificuldade de progressão nas três especiais que compunham esta prova.

Luís Oliveira apresentava-se nesta jornada com alguma vantagem para os seus mais diretos adversários, no entanto ainda estavam em disputa, os títulos nas respetivas classes Enduro GP e E1. No primeiro dia de competição, o piloto português viria a demonstrar um excelente andamento mesmo em condições adversas, garantindo assim a vitória na classe destinada às motos E1, sendo ainda segundo da geral. “Apesar de ainda não estar a 100% tentei imprimir um bom ritmo. A lama dificultou bastante a condução dentro das especiais, mas no geral penso que foi um bom dia de competição. Com este resultado, amanhã só preciso de arrancar para ser campeão” concluiu Luís no dia de sábado.

Hoje o piloto Honda apenas marcou a sua hora de partida, sagrando-se assim o mais recente Campeão Brasileiro de Enduro FIM. Luís Oliveira cumpre mais dois dos objetivos 2017 vencendo a classe E1 e ainda a classe máxima – Enduro GP.

Visivelmente satisfeito, Luís Oliveira comentou: “Mais dois objetivos cumpridos! Obviamente estou satisfeito com estas vitórias, no entanto posso garantir que hoje em dia o Campeonato Brasileiro está num bom nível. Tive sempre boa réplica por parte dos meus mais diretos adversários e estes dois títulos não foram fáceis. Aproveito para agradecer à Honda por todo o apoio, Felipe Zanol, colegas de equipa, à minha família, amigos e a todos aqueles que ao longo do ano me ajudaram a ultrapassar as dificuldades. Quero dedicar estes dois títulos para alguém muito especial a quem eu prometi vencer aqui no Brasil…Foi por ti”

A próxima prova do piloto português, será a derradeira jornada da Copa EFX Brasil 2017, a decorrer em Guararema, SP já no próximo fim-de-semana.

Texto: Evo-press
Fotos: Idário Café

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Giovanni Sala é o novo Team Manager da GAS GAS Enduro Factory Team


Giovanni Sala foi contratado pela GAS GAS para liderar a equipa oficial no Campeonato do Mundo de EnduroGP. De 53 anos, a lenda viva do Enduro, com 6 títulos mundiais (5 em categorias e 1 Absoluto) e 52 vitórias em GP´s, regressa assim à competição ao mais alto nível, desta feita como Team Manager.

Prestação positiva de Pedro “Botas” na dupla jornada de Enduro em Águeda


Depois da paragem para “férias” a caravana do Nacional de Enduro deslocou-se no passado fim de semana a Águeda para a última prova do Campeonato. A organização do evento esteve a cargo do  ACTIB – Águeda Action Club, que delineou um percurso de aproximadamente 50Km, que incluía como habitualmente as três especiais, Extreme Test, Cross Test e Enduro Test, que viria a ser utilizado nos dois dias de prova, Sábado e Domingo.

Pedro “Botas” marcou presença com a sua Sherco 300 SEF-R Six Days, onde nesta dupla jornada pontuava para a Classe Verdes II e para o Troféu Sherco. Esta era uma prova bastante exigente, devido a ser composta por dois dias de competição, onde no Sábado o piloto amarantino tinha de efectuar duas voltas ao percurso e no Domingo três, mas devido à dureza do percurso no Domingo a organização decidiu encurtou a prova para duas voltas. 

“Foi mais um fim de semana a fazer o que mais gosto, numa prova bastante exigente e dura, com muito pó devido à seca que se faz sentir. No sábado estive sempre na luta por um lugar no pódio da classe Verdes 2, mas algumas condicionantes não me permitiram alcança-lo. Assim que arrancávamos, tínhamos a Extreme Test, sendo esta uma das especiais onde me sinto melhor, mas à primeira passagem esta não conta e isso prejudicou as minhas contas. A especial Cross Test foi efectuada no Crossodromo do Casarão, palco da prova do Mundia de MX, e a as afinações da minha mota para Enduro, não são as ideais para esta especial, o que me fez também perder algum tempo, mesmo assim consegui um 5º lugar da Classe e um 3º do Troféu Sherco.
No segundo não entrei tão bem na corrida, o percurso estava bastante duro, muito desgastado do dia anterior, no decorrer das especiais tive bastantes dificuldades devido ao imenso pó que ia ficando no ar de pilotos atrasados, o que me obrigava a um ritmo mais controlado para evitar quedas graves. No final de Domingo consegui obter um 6ª lugar da Classe e mantive o 3º lugar do Troféu Sherco.”

Pedro “Botas” agradece a todos os patrocinadores que permitiram esta participação, e de forma a continuar a dar retorno aos mesmo, prepara já a próxima participação no Enduro de Baltar dia 22 de Outubro, prova que conta para o Troféu Luso Galaico.

Comunicado de imprensa Pedro “Botas"

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Rali de Marrocos 2017 - Walkner vence Rali de Marrocos. Quintanilla campeão.

Mesmo com a penalização atribuida, Pablo Quintanilla conseguiu os pontos suficientes para sagrar-se campeão mundial.

Geral:
(Clique para ampliar)

Foto: FB Pablo Quintanilla

Team Ecmoto fecha temporada no pódio


O campeonato Nacional de Enduro terminou em Águeda, com uma jornada dupla marcada pelo muito pó, fruto do calor que se tem feito sentir na região.

Depois da paragem de Verão, o Team Ecmoto alinhou em Águeda com quatro pilotos, com o objetivo de melhorar os resultados das rondas anteriores.

Pedro Rodrigues esteve em grande destaque nos dois dias de prova. Aos comandos da sua Beta RR 250, o piloto da Briopul terminou no 6º lugar da categoria de Veteranos, juntando ainda um pódio no Troféu Beta, onde terminou num espetacular 2º lugar.
Foi assim o melhor resultado da temporada, que demonstra a evolução do #318 ao longo do ano, fechando com um top10 no Campeonato.

Também na classe Veteranos, Gabriel Seco foi regular ao longo dos dois dias de prova. Esteve muito perto de entrar no Top10, concluindo em 11º na prova e 15º no Campeonato. Destaque para a prestação em termos de Troféu Beta, concluindo em 6º nesta prova.

Quanto a Ulisses Rossa, foi uma prova de altos e baixos. A lutar pelo 2º lugar do Campeonato, terminou o primeiro dia na 5ª posição. No segundo dia acabaria por abandonar, baixando para 4º no campeonato, a escassos pontos do pódio final.

João Marques registou igualmente o melhor resultado do ano, a adaptar-se bem ao muito pó que tornou as especiais bem difíceis. No final foi 7º do Troféu, atrás do seu colega de equipa, Gabriel Seco.

Terminou assim uma temporada onde a equipa Beta Ecmoto registou uma boa evolução com o decorrer do ano, aparecendo nas lutas pelos lugares cimeiros, em especial na classe Super Veteranos.

Foto: Markes Foto (Arquivo) 

Racespec|CFL|KTM conquista título em casa com Bruna Antunes


O Campeonato Nacional de Enduro regressou no fim-de-semana à cidade de Águeda para a derradeira jornada da temporada 2017. Com dois dias de duração, a prova a cargo do ACTIB contou com um percurso com cerca de 50 km´s e três especiais. O pó que marcou presença ao longo de toda a competição viria a ser a maior dificuldade para pilotos e máquinas. O centro nevrálgico estava localizado no Largo 1.º de Maio junto ao rio que dá o nome à cidade. 

Entre os cerca de 150 pilotos presentes, apresentava-se e a “jogar em casa” a formação aguedense RACESPEC|CFL|KTM com os pilotos Tomás Clemente e Marcelo Lourenço na Open, Bruna Antunes nas Senhoras e ainda Diogo Nogueira na classe Verdes 2.

Bruna Antunes apresentava-se em vantagem nesta jornada e apenas teria que terminar os dois dias atrás da sua mais direta adversária, para conquistar o título. A jovem de Sesimbra demonstrou enorme maturidade conseguindo ser 2ª classificada em ambos os dias. Com estes resultados Bruna Antunes sagra-se assim Campeã Nacional de Enduro. “Pela primeira vez na história do motociclismo, houve um Título Nacional Feminino e eu recebi-o com bastante orgulho. Nesta última ronda dei o meu melhor e estou bastante satisfeita com o resultado. Faço um balanço bastante positivo desta temporada, onde evolui bastante. O trabalho continua sempre em busca de mais e melhor. Aproveito para agradecer a todas as pessoas que me apoiaram e que depositaram confiança em mim ao longo do campeonato”.

Já Tomás Clemente tem estado ao longo da temporada na luta pelo título, tendo levado o derradeiro confronto até à última jornada. Por apenas escassos segundos em ambos os dias, o jovem piloto apenas conseguiu ser segundo, sagrando-se assim Vice-Campeão Nacional na classe Open. “Foram sem dúvida dois verdadeiros dias de competição onde tentei lutar para vencer o título. Apesar de não ter conseguido, sinto que dei o meu melhor e fiz o que estava ao meu alcance. Dediquei-me, trabalhei, suei e até chorei, mas no fim de tudo sinto que adoro o que faço. Obrigado a todos os que me apoiam”.

Diogo Nogueira que esta temporada já havia falhado duas jornadas por motivos profissionais, demonstrou nesta fase final que poderia ter sido um candidato à vitória na classe Verdes 2. O piloto natural de S. João da Madeira garantiu em Águeda o 2º lugar em ambos os dias, terminado o campeonato 2017 na 5ª posição da classe. “A realidade é mesmo essa…Por vezes a vida profissional não me permite treinar mais nem estar em todas as provas. Terminei em boa forma e sinto que podia ter estado na luta pelo título. Aproveito para agradecer à família Lourenço e a todos os patrocinadores por esta temporada. Obrigado!”

Marcelo Lourenço aproveitou esta última jornada para marcar presença no Campeonato, ao lado de alguns clientes e amigos. O piloto Racespec foi 10º no sábado e 8º classificado no derradeiro dia de competição (classe Open). 

Texto: Evo-press
Fotos: Nphotoevents

Paulo Amado em final de Campeonato


A cidade de Águeda foi este fim-de-semana palco da derradeira jornada pontuável para o Campeonato Nacional de Enduro 2017. Com mais de cento e cinquenta participantes, esta prova contara com dois dias de competição, três especiais e um traçado com cerca de meia centena de quilómetros. De destacar que uma das especiais situava-se no famoso Crossódromo Internacional da cidade bairradina (Mundial de Motocross). Já o calor intenso e o muito pó nas cronometradas e percurso foram as maiores dificuldades desta etapa a cargo da associação ACTIB - Águeda Action Clube.

Paulo Amado aos comandos da Beta 2T que havia estreado na ronda anterior, conclui o primeiro dia da competição na 14ª posição entre os pilotos Veteranos. Já no domingo, esta classe não teria o nome do piloto, pois o mesmo ausentou-se por motivos pessoais ainda na noite de sábado. Com este resultado, Amado viria a terminar o Campeonato 2017 na 17ª posição entre quase 30 participantes – classe Veteranos.

“Adaptei-me bem à mota dois tempos e consegui terminar o sábado a sentir-me bem. Com o pó e o calor intenso que se fez sentir em Águeda, a mota mostrou-se uma grande máquina. Infelizmente e devido a uma emergência (incêndio às portas de casa), não consegui alinhar no derradeiro dia. Sinto que melhorei bastante e evoluo dia após dia sem esforço de maior. Obrigado a todos os que me apoiaram ao longo desta sete corridas. Para o ano há mais…” concluiu Paulo Amado.

Texto: Evo-press
Fotos: OneShotFoto

CNE 2017 - Águeda - Fábio Pereira na derradeira do ano


Este fim-de-semana decorreu em Águeda, a última etapa do Campeonato Nacional de Enduro 2017. Com mais de uma centena e meia de participantes, esta jornada contava com dois dias de competição, um traçado com aproximadamente 50 km´s em torno da cidade e três especiais bastante diversificadas. O pó viria a ser a maior dificuldade para pilotos e máquinas, tanto nas cronometradas como em quase toda a extensão do percurso.

No primeiro dia de competição e com partida agenda para as 12h, Fábio Pereira demonstrou um andamento bastante regular, garantindo no final a 5ª posição da classe E1 – 8º classificado no Absoluto. Já no derradeiro dia de competição e fruto de algumas mazelas do dia anterior, o piloto Yamaha foi forçado ao abandono ainda no decorrer da segunda volta.

No final, Fábio Pereira comentou: “Foram dois dias de corrida bastante difíceis. No primeiro ataquei o máximo que consegui, cometi alguns erros e isso fez me perder algum tempo extra. Alguma falta de ritmo de corrida e poucas horas na minha Yamaha não me deixaram fazer melhor. No segundo dia as coisas não começaram bem, pois pequenas quedas e corpo a acusar o esforço do dia anterior, levaram-me a bastantes dores na cervical. Tentei aguentar, mas era impossível rolar sentado, tendo desistido na segunda volta. Este ano não foi mesmo um ano bom para mim em termos de corridas. Agora é tempo de pensar bem no futuro! Quero agradecer a todos os que estão sempre lá para me apoiar e a todos os patrocinadores deste projeto!”

Assim termina um ano atípico para Fábio Pereira, que sempre habituado a temporadas regulares, teve em 2017 o ano menos positivo. O piloto natural do Vimeiro apenas pontuou na primeira jornada em Góis e no primeiro dia da derradeira jornada em Águeda. Com este desfecho Fábio Pereira concluiu a temporada na 12ª posição Elite Absoluto – 7º classificado Elite 1. 

Texto: Evo-press
Foto: Nphotoevents

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Rali de Marrocos 2017 - 4ª Etapa - Resultados

Van Beveren venceu a 4ª etapa. Quintanilla continua na liderança da prova e Joaquim Rodrigues mantém a 7ª posição, sendo o melhor português.

4ª Etapa:
(Clique para ampliar)

Geral:
(Clique para ampliar)

Foto: FB Npo Rallye