quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Baja TT Rota do Douro integra a Taça Ibérica de Todo-o-terreno


A Baja TT Rota do Douro passou a integrar a Taça Ibérica de Todo-o-terreno, sendo a prova de abertura deste troféu e simultaneamente a primeira da época de 2016, em termos de Campeonatos Nacionais de ambos os países da Península Ibérica.

A internacionalização da Baja TT Rota do Douro foi um dos objectivos definidos, quando há dois anos a prova foi lançada. O potencial turístico da região do Douro foi desde o primeiro momento visto como um factor diferenciador. Além disso, com a realização desta prova, o promotor pretende dotar o Norte de mais um vector de veiculação da região, das suas paisagens e potencial, além-fronteiras.

Outra das grandes novidades desta prova é o regresso das motos, quads e UTV´s. Em Setembro de 2014 o figurino da Baja TT Rota do Douro foi muito apreciado pelos motards, mas foi impossível montar a prova para os pilotos da Federação de Motociclismo de Portugal (FMP), no curto espaço de tempo disponível, seis meses, entre a primeira e a segunda edição.

Assim, 18 e 19 de Março marcam o regresso do TT, em duas e quatro rodas, à actividade em 2016 e como Sábado é Dia do Pai, vão ainda aparecer algumas novidades para pais e filhos na prova.

Mais informações estão disponíveis no site http://bajattrotadodouro.com

Completa Mente

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Video - Do Motocross para o Enduro Extreme? Transição Extrema!


Alès Trêm 2016 - Walker começa a temporada Extreme 2016 a vencer


Resultados:
1. Jonny Walker (KTM)
2. Wade Young (Sherco)
3. Graham Jarvis (Husqvarna)
4. Alfredo Gomez (KTM)
5. Mario Roman (Husqvarna)
6. Julien Gauthier (Yamaha)
7. Lars Enockl (KTM)
8. Yannick Marpinard (Beta)
9. Alexandre Queyreyre (Beta)
10. Billy Bolt (KTM)



Luís Oliveira vence em Amarante o 1º Offtrack Cross-Country Challenge


Realizou-se no passado sábado na Quinta de Pousadela em Ôlo, Amarante, a primeira edição do Offtrack Cross-Country Challenge.

Com organização por parte do Clube Natureza Extreme em parceria com a Offtrack, esta resistência offroad contou com aproximadamente 70 participantes, com especial destaque para a presença de alguns Campeões Nacionais.

O dia começou com as habituais verificações administrativas e as motas a serem colocadas em parque - fechado. Já durante a tarde e com duas horas de competição num bonito traçado de 8 km´s nas imediações da Pousadela, a vitória sorriu ao sintrense Luís Oliveira. O jovem piloto apesar de vencer esta primeira edição com cerca de um minuto de vantagem, contou com forte oposição por parte de Joaquim Rodrigues Jr. (melhor volta) e do vilaboense Fernando Ferreira, que viria a terminar na 3ª posição final.

Já no final, Luís Oliveira em festejos comentou: “Foi sem dúvida uma excelente prova de treino para o Campeonato. Aproveitei para testar a minha nova mota e acertar alguns pormenores ao nível das suspensões. Aproveito desde já para dar os parabéns à organização pelo excelente evento desportivo…Tudo cinco estrelas!”


Um evento ao alcance de todos que recebeu elogios rasgados por parte de pilotos e do muito público presente neste sábado de competição. Satisfeito, o organizador Paulo Amado comentou: “É bastante gratificante, depois de um enorme trabalho por parte do Filipe e de todos aqueles que colaboraram connosco, conseguirmos esta grande festa. No que toca à competição, foi emocionante e houveram animados despiques até ao fim. Uma aposta aprovada e que com toda a certeza irá continuar. Aproveito para agradecer ao Município de Amarante, Federação Nacional Motociclismo, CNE Amarante, Clube Automóvel Amarante e a todos os voluntários e comissários desta prova”.

Classificação: 1º Luís Oliveira; 2º Joaquim Rodrigues Jr; 3º Fernando Ferreira, 4º André Mouta; 5º Miguel Costa;…

Texto: Evo-press
Fotos: Maranus.net Photography

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Luso Galaico 2016 arrancou em Gondomar


Adelino Sousa começou da melhor forma a defesa do título conquistado em 2015 na classe Pro e venceu o Enduro de Gondomar, primeira prova da edição 2016 do Troféu Luso Galaico Mota de Monte.

O piloto da Proservice/Crn conquistou o lugar mais alto do pódio com 8,41 segundos de vantagem sobre André Mouta. No terceiro posto ficou Juan Rodiño, a 15,36 segundos do vencedor. A 7,03 segundos do lugar mais baixo do pódio e 22,39 de Adelino, terminou o quarto classificado, João Vieira, o que espelha bem a competitividade que se viveu em Gondomar nesta classe.

Adelino Sousa

Norberto Teixeira, vencedor da Enduro 1 em 2015, subiu este ano de categoria e não podia ter corrido melhor, pois garantiu o triunfo na classe Expert. Aos comandos de uma Yamaha da equipa Moto Marretas, deixou o segundo classificado, Jose Lopez, a 38,52 segundos. Em terceiro ficou Pedro Durães, a 48,8 segundos do vencedor.

Norberto Teixeira

Na Enduro 1, Miguel Fernandes venceu destacado com 1.13,62 de vantagem sobre Marcelo Vieira, que por sua vez teve de se aplicar para ficar à frente Mário Paiva, o que conseguiu por menos de 1 segundo.

Na Enduro 2, a classe com mais pilotos à partida e onde terminaram 42, o topo da tabela classificativa ficou nas mãos de Carlos Skinas, que deixou o seu mais directo adversário, Luis Silva, a 48,81 segundos. Carlos Mendes concluiu a prova na terceira posição, a 55,02 do vencedor.

Carlos Skinas venceu a classe Enduro 2

Nas motos de maior cilindrada, a Enduro 3, também um piloto destacou-se entre os 19 que concluíram a prova. Leonel Mendes foi o mais forte e brindou o segundo classificado, Diogo Lopes, com 1 minuto e 5 segundos. Miguel Santos foi o terceiro melhor piloto nesta jornada inaugural do troféu, concluindo a sua prova a 1.22,89 de Mendes.

Leonel Mendes

Nos mais novos - classe Juniores - Diogo Parente venceu com margem curta, apenas 2,83 segundos, sobre António Gonçalves. Estes dois pilotos destacaram-se dos restantes, tendo o terceiro classificado, Carlos André, ficado a 1.22,27 do vencedor.

Diogo Parente

Nos Veteranos, foi Albano Mouta que venceu, com 16,1 segundos de vantagem sobre Nuno Freitas. Na terceira posição terminou António Faria, a 48,05 do primeiro lugar.

Albano Mouta

Nos mais experientes, os Super Veteranos, Aníbal Soares levou a melhor sobre Paulo Moreno e Luís Oliveira. 

Aníbal Soares no lugar mais alto do pódio

Na Promoção, Carlos Ferreira conquistou a primeira posição, com 19,82 segundos de vantagem sobre Sérgio Silva. No terceiro posto, terminou Tiago Magalhães, aos comandos de uma AJP, e a 32,33 do vencedor.

Carlos Ferreira (#225)

A classe Senhoras contou com nada mais nada menos do que cinco "mulheres de armas" inscritas. Duas concluíram esta exigente prova e o troféu do primeiro lugar foi entregue a Vera Dias que levou a melhor sobre Bruna Antunes.

Vera Dias

Podem consultar todos os resultados em: TLG 2016 - Gondomar - Resultados
Classificações e inscrições para a próxima prova em: www.meliciasteam.com

O Troféu prossegue no dia 7 de Fevereiro, com a realização da segunda prova, desta feita em Valongo.


Fotos: One Shot Foto e PM- Images

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Offtrack Cross-Country Challenge - 1ª Edição


O primeiro Offtrack Cross-Country Challenge realizar-se-á já no próximo sábado (23 de Janeiro) na Quinta de Pousadela em Ôlo, Amarante. Com organização por parte do Clube Natureza Extreme em parceria com a Offtrack, esta resistência destinada exclusivamente a motos de 2 rodas, contará com um agradável percurso – nível verde, com cerca de 8 Km’s e duração de duas horas. 

Com presença confirmada de alguns nomes bem conhecidos no panorama nacional, este evento contará com cronometragem profissional, inscrição limitada a 80 pilotos e prémios monetários. Todos os participantes podem ainda usufruir ainda de condições especiais em alojamento na Quinta da Pousadela - Reservas: geral@pousadela.com | telefone: 966 899 922

“Sem dúvida que a curto prazo, o cross-country será o futuro do enduro, devido às questões ambientais que têm sido implementadas um pouco por toda a Europa. Pretendemos criar um evento de referência e este “challenge” é uma das nossas novidades em 2016. A altura é a ideal, até porque a maioria dos pilotos está em preparação para o Campeonato Nacional de Enduro. Contamos com a vossa presença, e iremos focar-nos em criar um evento ao alcance de todos. Apareçam!” concluiu o organizador, Paulo Amado.

Programa da prova:

9.30 - Abertura do secretariado - verificações administrativas.
11.30 - Encerramento do secretariado
12.00 - Volta de reconhecimento
13.00 - Motas em parque fechado
13.30 - Arranque da prova
15.30 - Fim da prova
16.30 - Entrega de prémios

Estas e outras informações em: http://www.offtrack.pt/ 
Paulo Amado: 925638541 | Filipe Sampaio: 910642270


Texto: Evo-press
Fotos: Organização

Inscrições abertas para o início do CNE 2016 na Lousã


A menos de um mês do arranque da edição 2016 do campeonato nacional de enduro, que se realiza no próximo dia 14 de Fevereiro na vila da Lousã, estão já abertas as inscrições para a prova mais uma vez organizada pelo Montanha Clube. Com forte tradição na modalidade a vila beirã recebe em 2016 a primeira prova do campeonato e com responsabilidades acrescidas pelo facto o clube anfitrião está naturalmente a preparar ao pormenor o evento que para além de ser válido para o campeonato nacional de enduro irá receber também os participantes no Troféu Beta 2016.

Com um formato muito semelhante ao verificado em 2015, a prova terá como principal novidade a localização da sempre espectacular especial Xtreme mais próximo do centro da vila – junto ao campo de rugby – numa clara intenção do clube lousanense em trazer a prova para junto das suas gentes, desde sempre apaixonadas pela modalidade e que muito ajudaram a que a Lousã seja considerada como a Reserva Natural de Enduro, estatuto mais do que merecido fruto das excelentes condições da região para a prática da modalidade. As restantes especiais serão mais uma vez desenhadas no Arneiro e farão parte dos cerca de 50 quilómetros de percurso marcado para receber este primeiro evento do ano.

As inscrições que decorrem até ao dia 10 de Fevereiro, terão que ser efectuadas directamente para o Montanha Clube, podendo todas as informações ser obtidas através do site www.montanha-clube.pt ou pelo mail: louzanpark@gmail.com.



Foto: Arquivo | Hype Communications
Texto: Hype Communications

domingo, 17 de janeiro de 2016

TLG 2016 - Gondomar - Resultados

Adelino Sousa começou da melhor forma a defesa do título alcançado em 2015 e venceu o Enduro de Gondomar.

(Clique para ampliar)


Foto: One Shot Foto

sábado, 16 de janeiro de 2016

Quinto lugar de Hélder Rodrigues no Dakar

Sétimo Top 5 em dez participações sem registar qualquer abandono
Depois de uma brilhante vitória na penúltima etapa, Hélder Rodrigues completou hoje a sua décima participação no Dakar. Nestes dez anos, iniciados em 2006 quando a prova saiu pela primeira vez de Portugal, o agora piloto da equipa oficial da Yamaha nunca abandonou e terminou a corrida por sete vezes no Top 5. Subiu por duas vezes ao pódio, tendo ainda averbado oito vitórias em etapas.

Na derradeira etapa, hoje disputada entre Villa Carlos Paz a Rosario, Hélder Rodrigues, aos comandos da sua WR450F Rally, foi o terceiro mais rápido na especial cronometrada com 180 quilómetros de extensão. Um resultado que não foi contudo suficiente para melhorar o quinto lugar conquistado na véspera. O piloto português, que esteve fortemente condicionado ao longo da primeira semana por se encontrar doente, terminou este Dakar 2016 a 4m56s de um lugar no pódio.

“Estou muito feliz por ter cortado a meta neste meu décimo Dakar. A partida de hoje, dada pela classificação invertida, tornou mais difícil atacar para tentar conquistar uma posição. O pó levantado pelos concorrentes que partiam à minha frente tornaram a especial perigosa. Esse desafio implicava correr riscos e este Top 5 satisfaz-me, tendo em conta que estive doente na primeira semana do rali. Foi um Dakar muito duro, mas fizemos um excelente trabalho com a Yamaha. Quero aproveitar para lembrar os meus colegas de equipa Alessandro Botturi e Xavier De Soultrait que, infelizmente, foram forçados a abandonar uns dias antes de a prova terminar. Com eles e com o Adrien Van Beveren, trabalhámos bem em conjunto e partilhámos bons momentos. Obrigado Yamaha”, referiu o piloto da equipa oficial da Yamaha em Rosario, Argentina.

 A2 Comunicação

Dakar 2016 - Pedro Bianchi Prata: " a partir do meio da prova o objectivo era chegar ao fim e conseguimos"

Pedro Bianchi Prata cumpriu o  objetivo, conseguindo chegar a Rosário.

O piloto do Team Bianchi Prata, que superou os problemas técnicos em algumas etapas que originaram a perda de tempo, terminou a etapa na 49ª posição, sendo 69º na presente edição do Dakar.

"Terminou o Dakar, a partir de certo momento o objetivo era trazer a moto até aqui e conseguimos. Obrigado aos meus familiares, amigos, patrocinadores e a todas a gente  que me apoiou. Esperemos que para o ano haja mais" declarou Pedro Bianchi Prata.

O Dakar 2016 foi vencido pelo piloto australiano Price(KTM), Helder Rodrigues foi 5º e Mário Patrão 13º.

Team Biachi Prata

Mário Patrão conquista vitória portuguesa no Dakar 2016


Mário Patrão encerrou hoje em festa a sua quarta participação na maior proa de Todo-o-Terreno do mundo, o Rali Dakar, sagrando-se vencedor da classe Maratona e conquistando um brilhante 13.º lugar final na tabela geral.
O piloto de Seia esteve sempre em crescendo de forma deste o arranque desta edição de 2016 do Dakar, logrando posições na tabela geral até à entrada no Top 15 final, objetivo que apontou para esta que foi a sua primeira participação aos comandos de uma KTM 450 Rally, mota que conquista também este ano a sua 15.ª vitória consecutiva a prova pelas mãos do piloto oficial Toby Price.
Neste derradeiro dia do Dakar 2016 Patrão obteve o décimo melhor tempo na curta tirada de 180 quilómetros cronometrados que ligaram Villa Carlos Paz a Rosário, na Argentina, aumentando a vantagem que detinha para o segundo classificado da classe Maratona, o romeno Emanuel Gyenes, cifrada nas contas finais em 4min16s a favor do piloto português. Mário Patrão, que a 3 de janeiro largou para a primeira etapa da prova no 33.º lugar, chega ao final dos mais de 9.000 quilómetros e quinze dias de prova no 13.º lugar da geral, melhorando assim as duas marcas no 30.º lugar que conquistou nas edições de 2013 e 2014.
Um resultado brilhante para o piloto beirão, de 39 anos de idade, líder de títulos no desporto de motociclismo off road em Portugal com um total 25 coroas.
Mário Patrão: “Não podia estar mais satisfeito. Trouxe objetivos e superei-os. Este resultado é fruto de muito trabalho, de muita dedicação. Não sou um piloto profissional no Dakar mas provei que posso fazer tanto como eles. Conseguimos vencer na Maratona e ainda melhorar para 13.º a minha melhor marca na geral desta prova. O balanço é muito positivo. Chego ao fim do Dakar com vontade de iniciar já outro. Estes últimos dias foram fantásticos. O meu muito obrigado por todo o apoio que tive, patrocinadores, família, amigos, muito obrigado.”
O que é a classe Maratona numa prova como o Dakar?
Do oficial ao aventureiro, diferentes são os objetivos com que os participantes surgem à partida da mais cobiçada prova de desporto motorizado off road do mundo. Sendo o Dakar uma prova de regularidade, disputada ao longo de duas semanas, não é preciso ser o mais rápido para brilhar.
A classe Maratona é o puro exemplo disso. Destinada a pilotos que disponham de uma moto stock, contrariamente às de fábrica utilizadas pelas equipas oficiais e que são adequadas a cada piloto, esta categoria destina-se a motos cuja versão esteja disponível para o comum utilizador.
Esta categoria requer dos participantes a capacidade de completarem os mais de 9.000 quilómetros que “desenham” o Rali Dakar sem recorrer à mudança de uma série de peças da sua mota, como é o exemplo do motor, quadro, suspensões, entre outros elementos “primordiais” da máquina.
Conceito Media

Dakar 2016 - 13ª Etapa - Resultados


Etapa:                        Geral (final):
 
(Clique para ampliar)

Foto: Dakar.com

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Hélder Rodrigues vence e sobe ao 5º lugar


Com um desempenho notável Hélder Rodrigues venceu hoje a 12ª etapa do Dakar a mais longa deste rali e com o segundo maior troço cronometrado da prova. Foi a oitava vitória em etapas do Dakar do agora piloto da equipa oficial da Yamaha que, aos comandos da sua WR450F Rally, foi o quarto a partir para a etapa que ligou San Jose a Villa Carlos Paz. Seria todavia o primeiro a chegar ao final dos 481 km depois de ter ganhou 7m32s ao australiano Toby Price o líder deste Dakar 2016. Posteriormente foi-lhe averbada uma penalização de três minutos da qual se desconhece a razão.

Mas, mais do que o tempo ganho a Price, o importante foi o tempo que ganhou tanto a Pablo Quintanilla como a Kevin Benavides. Concluída a etapa e acrescentada a penalização, o piloto português passou a ocupar o 5º lugar a 4m19s do lugar de pódio ocupado pelo piloto chileno e a apenas 1s do argentino.

“Foi um excelente dia para mim e para toda a equipa Yamaha. Era uma especial difícil mas senti que era esta a minha oportunidade de atacar e finalmente consegui vencer! Na primeira semana estive doente e no início desta segunda semana tive problemas com o ombro, mas agora já estou OK e continuo na luta. Hoje pude atacar. Andei forte e isso deu-me imenso prazer. Tanto para mim como para a Yamaha esta vitória é muito importante. Ataquei para tentar melhorar a minha classificação, mas o importante é que o fiz em segurança Vou estar concentrado até ao fim e seguramente atacarei na derradeira especial”, referiu o piloto da equipa oficial da Yamaha à chegada a Villa Carlos Paz.

A etapa de amanhã, a derradeira deste rali liga Villa Carlos Paz a Rosario e compreende uma especial cronometrada com 180 quilómetros de extensão.

A2 Comunicação

Mário Patrão lidera a classe Maratona no Dakar 2016


Piloto português fez hoje mais uma etapa surpreendente na edição de 2016 do Rali Dakar, rodando grande parte da tirada no Top 10.

Mário Patrão continua a fazer uma surpreendente fase final no Dakar 2016, conseguindo uma vez mais desafiar hoje os pilotos oficiais ao rodar grande parte da 12.ª etapa, entre La Rioja e Villa Carlos Paz, no Top 10.

O piloto da KTM acabou por terminar o dia com o 12.º melhor tempo, a 22min08s do vencedor Hélder Rodrigues, gastando um total de 6h19min32s a percorrer os 431 quilómetros cronometrados desta que foi a penúltima etapa da prova.

Patrão está na liderança da classe Maratona, categoria que impossibilita os participantes de trocar motor, chassi, suspensões, ou outros elementos originais da mota ao longo dos mais de 9.000 quilómetros da prova, com vantagem de 3min23s para o romeno Emanuel Gyenes. Já na tabela geral, o piloto de Seia ocupa o 13.º lugar a escassos três minutos de ascender ao 12.º lugar final.

Amanhã, na última etapa da prova, entre Villa Carlos Paz e Rosário, o piloto de Seia partirá atrás dos adversários mais diretos, posição que lhe permitirá defender resultados ao longo dos derradeiros 180 quilómetros cronometrados.

Mário Patrão: “Tudo correu bem hoje, à exceção da parte final onde perdi algum tempo. No entanto senti-me bem, rápido e a navegar bem numa etapa cronometrada que quase atingiu os 500 quilómetros. Estou muito satisfeito. Estamos na frente da classe Maratona e no 13.º lugar da geral, cumprindo por isso os objetivos que trouxe até aqui. Estou muito motivado. Amanhã é o último dia, não importa arriscar, mas de qualquer forma vou procurar terminar bem.”

Conceito Media

Dakar 2016 - 12ª Etapa - Resultados

Hélder Rodrigues venceu a etapa e está a 4 minutos e 19 segundos do pódio

Etapa:                                      Geral:
 (Clique para ampliar)

Prata - Etapa: 42º | Geral: 76º

Foto: A2 Comunicação

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Dakar 2016 - 11ª Etapa - Resultados

Antoine Meo voltou a estar em destaque e venceu a 11ª Etapa

Etapa:                                  Geral:
(Clique para ampliar)

NDR: Resultados de Patrão e Prata ainda desconhecidos.

Foto: FB Dakar

António Oliveira pronto para mais uma época com a Yamaha Motor Portugal


Com o início de mais uma época desportiva à porta é com grande satisfação que a ORT anuncia que ainda não foi desta que o piloto #331 António Oliveira arrumou de vez o equipamento. 

Assim sendo, é com grande orgulho que o veterano piloto de Belas volta mais uma vez a rubricar contrato com a Yamaha Motor Portugal para mais uma época. 

Volvidos trinta anos, com a mesma garra e vontade para tentar revalidar o seu ceptro de campeão na classe de veteranos.

ORT

Paulo Gonçalves abandona Dakar 2016


A “saga” do Dakar 2016 terminou da pior forma para Paulo Gonçalves que hoje, na décima primeira etapa da prova, foi vítima de uma aparatosa queda nos quilómetros iniciais da “especial” cronometrada entre La Rioja e San Juan, na Argentina, tendo sido evacuado de helicóptero para um hospital local.
O piloto português, que no dia anterior tinha visto ser-lhe acrescida uma forte penalização devido às circunstâncias da nona etapa em que esteve praticamente fora de prova devido a uma avaria mecânica, saiu hoje para a estrada no quarto lugar mas viria a sofrer uma queda pouco depois do segundo ponto de passagem (Way Point 2) da etapa. Gonçalves ainda procurou seguir em prova mas acabaria por perder a consciência, foi assistido no local pela equipa médica e seguidamente evacuado para o hospital local.
Paulo Gonçalves recuperou a consciência e apresentava fortes dores de cabeça na chegada ao hospital, onde foi observado pela equipa médica que lhe viria a diagnosticar um traumatismo craniano moderado.
Paulo Gonçalves: “Terminei da pior forma este Dakar 2016, ao que parece tive uma queda forte, a verdade é que não me recordo do que se passou, disseram-me que consegui seguir com a mota até uma zona de público e ambulâncias. É um Dakar que termina da pior maneira, é lamentável para mim, para a equipa, merecíamos muito mais. Mas a competição é assim, algo não estava a ir bem nos últimos dias, termino da pior maneira mas é preciso seguir em frente e em breve voltaremos a competir.”
Conceito Media

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Paulo Gonçalves foi 4.º na décima etapa do Dakar

Paulo Gonçalves permanece na luta pelo Dakar 2016, “salvando-se” dos contratempos que quase o afastaram da prova, esta terça-feira, na nona de treze etapas. O piloto português da Honda consegui minimizar os estragos na CRF 450 Rally durante a noite da etapa maratona e hoje, na décima etapa, foi para a estrada conseguindo o quarto melhor tempo à chegada a La Rioja.
Disputou-se hoje mais uma das difíceis etapas do Dakar 2016, em fecho da segunda etapa maratona que trouxe mais dificuldades à corrida, com a caravana a atravessar as exigentes dunas de Fiambalá num total 278 quilómetros cronometrados. Depois do 12.º lugar atribuído a Paulo Gonçalves na etapa anterior, o “Speedy” partiu hoje para a estrada 1h31min mais tarde que o líder Toby Price, mas no final da tirada, que uma vez mais acabaria encurtada devido às condições climatéricas, alcançou o 4.º lugar a 6min01s do vencedor, Stefan Svikto. Na classificação geral Gonçalves ocupava o terceiro lugar com mais 34min16s que o líder Toby Price, mas vê acrescida uma penalização de 39min56s, alegadamente devido a novas decisões da organização face à situação da etapa anterior, que o relega para o 8.º lugar.
A décima primeira e antepenúltima etapa do Dakar 2016 leva a caravana de La Rioja a San Juan em mais um exigente desafio de dunas e temperaturas elevadas. Um total de 712 quilómetros, 431 dos quais cronometrados, iniciam a reta final da presente edição da maior prova de Todo-o-Terreno do mundo.
Paulo Gonçalves: “Depois dos problemas que tive ontem, hoje foi um dia bastante difícil, uma etapa cem por cento de pistas arenosas e dunas. Em termos de navegação não foi complicado porque tinha as marcas dos outros carros e das motos, mas foi extremamente difícil porque tinha na frente camiões e os rodados dos camiões faziam com que a areia ficasse muito macia e foi muito difícil andar. Rodei a um ritmo lento, perdi algum tempo, mas estou satisfeito por poder continuar em prova.”
Conceito Media

Dakar 2016 - 10ª Etapa - Resultados

(em actualização)

Helder Rodrigues foi 7º na etapa de hoje

Etapa:
(Clique para ampliar)

Geral:
1. T. Price
2. S. Svitko +23'12"
3. P. Gonçalves +34'15"


Foto: A2 Comunicação

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Dakar 2016 - Mário Patrão: Um privado ao ataque na Maratona do Dakar!


Cinco portugueses marcaram posição à partida da edição de 2016 do Rali Dakar, a maior maratona de Todo-o-Terreno do mundo. Por entre os quais, Mário Patrão, piloto natural de Seia e líder na coleção de títulos de motociclismo Todo-o-Terreno em Portugal, faz a sua quarta participação na mítica prova, desta vez aos comandos de uma KTM 450 Rally, depois de nos três primeiras participações ter feito história ao inscrever uma Suzuki versão Rally pela primeira vez na prova-rainha do TT mundial e com ela ter chegado, tanto em 2013 como em 2014, ao 30.º lugar na classificação final. Em 2015, uma avaria, colocou-o fora de ação.
Este ano, apostado em fazer um Dakar de maior fiabilidade, Patrão mudou para a austríaca KTM, mota vencedora das últimas catorze edições do Rali Dakar, e, cumpridas já oito das treze etapas que compõem a presente edição da prova, ocupa o 22.º lugar da tabela geral classificativa e ainda, de forma mais garbosa, um brilhante 2.º lugar na tabela referente à categoria Maratona.
O que é a classe Maratona numa prova como o Dakar? Do oficial ao aventureiro, diferentes são os objetivos com que os participantes surgem à partida da mais cobiçada prova de desporto motorizado off road do mundo. Sendo o Dakar uma prova de regularidade, disputada ao longo de duas semanas, não é preciso ser o mais rápido para brilhar. A classe Maratona é o puro exemplo disso. Destinada a pilotos que disponham de uma moto stock, contrariamente às de fábrica utilizadas pelas equipas oficiais e que são adequadas a cada piloto, e numa versão disponível para o comum utilizador, esta classe requer dos participantes a capacidade de completarem os mais de 9.000 quilómetros que “desenham” o Rali Dakar sem recorrer à mudança de peças da mota, como é o exemplo do motor, quadro, suspensões, entre outros elementos “primordiais”.
É aqui que Mário Patrão assume particular destaque. Mecânico de profissão e proprietário de um concessionário de Motos em Seia, atividade com a qual concilia a competição, o piloto beirão chegou à partida deste Dakar disposto a melhorar a marca alcançada na prova, um 30.º lugar, objetivando a entrada no Top 20, mas também discutir a vitória por entre os privados na categoria Maratona. Até ao momento, Patrão nunca esteve fora do pódio desta categoria, iniciando-se no terceiro lugar no arranque da prova e à oitava etapa é o 2.º classificado com escassa desvantagem de 6min06s para o líder, o russo Emanuel Gyenes, também em KTM, um experiente nestas andanças já que no seu palmarés regista cinco participações desde 2007, duas das quais, em 2011 e 2015, tendo sido declarado vencedor da categoria Maratona.
Esta terça-feira disputa-se a nona etapa do Rali Dakar 2016, com partida e chegada em Belén, na Argentina, num total de 436 quilómetros, 285 dos quais cronometrados enquanto exigente navegação fora de pista.
Mário Patrão: “O Dakar é uma aventura e deve ser vivida como tal. Não sou um piloto prioritário, inscrito numa equipa oficial e com as melhores condições para discutir a vitória nesta prova. Pela quarta vez estou aqui fruto de um enorme esforço pessoal e coletivo, que em muito devo aos meus patrocinadores e àqueles que estão comigo neste projeto, como o caso da minha família e amigos. Sei que tenho capacidades para poder lutar por posições de destaque nesta prova, mas para isso é preciso ter as condições adequadas para tal. Mas isso não me impede de lutar e estou no Dakar com vontade de mostrar o meu valor e de lutar ao máximo contra os pilotos de destaque. Tem sido um grande desafio, é verdade, mas sinto que tenho uma grande mota, com uma grande fiabilidade. Estou a disputar a classe Maratona e penso ser capaz e chegar ao final com a mota conforme saiu de Buenos Aires. Esta classe faz-nos dar valor a muita coisa. Temos que fazer a gestão da nossa prova ao máximo enquanto competimos durante muitos e longos quilómetros. Mas é essa aventura que me move. Tenho o sonho de um dia fazer esta prova sem qualquer assistência mecânica, só eu, a minha mota e uma mochila. O Dakar também é isto!”
Conceito Media

Dakar 2016 - Etapa de contrastes para Paulo Gonçalves no Dakar


Paulo Gonçalves teve hoje um pé de fora da edição de 2016 do Rali Dakar, depois de uma avaria na fase inicial da nona etapa ter levado à paragem do piloto português em plena “especial” cronometrada, em redor de Belén.
Um galho terá provocado estragos no radiador da Honda CRF 450 Rally do segundo classificado da edição de 2015 do Rali Dakar, que acabou por ver os problemas de refrigeração do motor da sua mota impedirem o seu funcionamento e a continuidade da prova. Paulo Gonçalves acabou por seguir até ao segundo controlo de passagem da tirada na companhia de um dos “aguadeiros” da equipa oficial Honda, o italiano Paolo Ceci.
Devido às dificuldades provocadas pelas elevadas temperaturas que se abateram sobre a região argentina e que colocaram em risco a segurança dos pilotos, lembrando a etapa fatídica de 2013 em que Paulo Gonçalves viu a sua Honda desfazer-se em chamas, a organização tomou como medida, primeiramente, parar a corrida ao segundo controlo de passagem (CP2) e, mais tarde, pelo atraso de alguns concorrentes, fixar os resultados do dia até à chegada ao primeiro controlo de passagem (CP 1).
Aquando desse ponto de controlo Paulo Gonçalves registava o 3.º melhor tempo a 3min02s do líder Toby Price, mantendo por isso o 2.º lugar da tabela geral em luta pela vitória na prova. O piloto português foi rebocado até ao acampamento por Paolo Ceci e, sendo esta uma etapa maratona sem assistência mecânica, tem pela frente a dura tarefa de trocar o motor da sua moto com o de um dos seus companheiros de equipa, ação que lhe valerá mais tarde a penalização de 15min mas que, no entanto, não afasta as aspirações lusas à vitória nesta que é uma edição de contrastes do Dakar.
Amanhã o Dakar 2016 segue com uma das mais difíceis etapas da presente edição, nas dunas de Fiambalá, num total de 561 quilómetros, 278 ao “crono”.
Paulo Gonçalves: “Foi um dia de contrastes. Não consigo sequer descrever. Estamos em prova e o importante agora é fazer os possíveis para poder chegar ao final da melhor forma possível. O Dakar ainda não acabou!”
Conceito Media

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Mário Patrão já é 2.º na classe Maratona


O Rali Dakar retomou esta segunda-feira a ação com a caravana a partir de Salta, onde este domingo teve dia de descanso, rumo a Belén, na Argentina, por ocasião da oitava etapa da prova e que dispôs um total de 766 quilómetros, 393 dos quais cronometrados, com as dunas a serem o exigente desafio do dia.
Mário Patrão está a subir a grande ritmo nesta edição do Rali Dakar, sendo esta a quarta participação do piloto de Seia na mítica prova de Todo-o-Terreno mundial, e hoje, na oitava etapa, conseguiu mesmo rodar em disputa pelo Top 20 classificativo. No final, à chegada a Belén, Parão não só fixou o 22.º melhor tempo do dia como também regista agora igual posição na tabela geral classificativa da prova. Já na classe em que inscreve a sua KTM 450 Rally, o piloto beirão subiu ao segundo lugar e dista apenas 6min06s do líder.
Esta terça-feira o Dakar 2016 disputa-se em torno de Belén, com a primeira parte da segunda etapa maratona da prova, ou seja, sem qualquer tipo de assistência mecânica, prevendo-se mais um verdadeiro desafio de navegação concentrado em pouco mais de 280 quilómetros cronometrados.
Mário Patrão: “Está a ser um Dakar muito interessante, sinto-me muito melhor que nos últimos anos. A minha KTM dá-me confiança dia para dia e os resultados vão aumentando com a minha confiança. Sinto que estou no bom caminho. Estamos a subir na classificação geral, e também na classe Maratona. Estou perto de concretizar os objetivos com que vim para esta prova e isso deixa-me satisfeito. Temos ainda muito Dakar pela frente, muitos quilómetros, espero poder continuar assim e a fazer um bom trabalho até ao final.”
Conceito Media

Queda rouba liderança a Paulo Gonçalves


Paulo Gonçalves viu hoje escapar-lhe a liderança do Rali Dakar 2016 depois de uma violenta queda o ter feito perder alguns minutos para os adversários. Ainda assim, o piloto português alcançou o segundo melhor tempo na primeira tirada que marcou o início da segunda metade da prova e ocupa agora o segundo lugar da classificação geral, em luta acesa pela vitória final.
Nesta oitava etapa a caravana rumou de Salta a Belén, enfrentando um total de 766 quilómetros, 393 dos quais cronometrados. Paulo Gonçalves saiu no terceiro lugar mas rapidamente se viu envolvido na luta pela vitória na etapa, até altura em que uma queda o levou a concluir a tirada com um atraso de 5min17s para o vencedor e agora líder da tabela geral, o australiano Toby Price. Ao descer ao segundo lugar, o piloto oficial Honda não está no comando da prova mas dista apenas 2min05s do regresso à liderança e ao tão desejado objetivo de vencer, melhorando assim o segundo lugar conquistado em 2015.
Amanhã a caravana regressa às etapas maratona, com a primeira parte a voltar a ser mais um exigente desafio de navegação em redor de Belén, cuja “especial” cronometrada em formato “loop” terá dimensão de 285 quilómetros.
Paulo Gonçalves: “Hoje foi uma etapa bastante difícil, sabia que ao sair da terceira posição os pilotos que iam partir atrás de mim iam ganhar tempo, foi uma ‘especial’ muito complicada, com muita navegação, 540 quilómetros quase na totalidade feitos fora de pista, em zona de dunas, acabei por ter uma queda bastante forte a meio da ‘especial’ numa zona fora de pista, uma zona bastante ondulada e rápida. Tive alguma sorte em não me ter magoado. Na moto apenas tive um problema na torre, que acabou por partir. Na parte final tive de vir já bastante devagar a segurar na torre com a mão para chegar sem problemas de maior. Estou contente, foi um dia relativamente normal, perdi tempo para quem arrancou atrás de mim, para os meus adversários diretos, ganhei aos que saíram à minha frente e amanhã espero recuperar parte do tempo que perdi hoje.”
Conceito Media

Dakar 2016 - 8ª Etapa - Resultados

Toby Price venceu a 8ª etapa e "roubou" a liderança da prova a Paulo Gonçalves

Etapa:                                 Geral:
(Clique para ampliar)

Patrão - Etapa: 22º | Geral: 22º
Prata - Etapa: 91º | Geral: 65º

Foto: FB Dakar